Thinkseg
Seguro

Seguro de carro: já pensou em pagar por um que seja realmente justo?

Compartilhe em:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Homem solicitando seguro de carro pelo celular

Saiba como valorizar o seu dinheiro com um seguro ideal para o que procura!

Combustível. Pneus calibrados. Fluido de arrefecimento. Seguro de carro. Sabe o que tudo isso tem em comum? Que são simplesmente essenciais para todo mundo que tem um automóvel, não importa qual seja a marca, modelo ou ano.

Seguradoras não faltam por aí, de fato, mas quando se trata de um seguro que cobre um valor justo, a procura já se torna mais difícil. Felizmente, você acabou de encontrar a opção perfeita: o Pay Per Use.

Não sabe do que se trata? Ficou curioso para pagar um preço que vale pelo que está sendo cobrado? Então vem comigo e descubra uma modalidade que te fará olhar para as seguradoras de forma diferente.

Antes disso, porém, precisamos comentar sobre a forma de cobrança dos seguros tradicionais, para que dê para entender direitinho porque as cobranças são tão diferentes.

Como funciona a cobrança de um seguro de carro tradicional?

De uma forma que não é tão justa assim, algo que pode pegá-lo de surpresa, mas é verdade. Os critérios envolvidos no cálculo são os seguintes:

Valor do carro

Um ponto fundamental e perfeitamente compreensível, já que quanto maior for, mais altos tendem a ser os custos envolvidos com manutenção, indenização e afins.

Tal número geralmente vem da tabela Fipe, desenvolvida pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. Ela leva em consideração o valor dos automóveis de acordo com marca, modelo e ano, valor este que muda com o passar do tempo.

Logo, em linhas gerais, um carro mais caro também terá um seguro de maior valor quando comparado a outro modelo cujo preço seja menor.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Perfil dos condutores

O perfil da pessoa que contrata também entra no cálculo, assim como dos demais usuários, já que isso influencia nas chances de ter que acionar o seguro de carro.

Por exemplo, quem usa o carro para ir ao trabalho todos os dias e percorre uma boa quilometragem tem maiores chances de se envolver em colisões, acidentes, roubos e furtos do que alguém que usa o veículo para lazer e vai trabalhar de transporte público.

Outro exemplo é a idade dos usuários do veículo. Quando são pessoas de 18 a 25 anos, os valores cobrados costumam ser maiores, já que a faixa é considerada como arriscada, inclusive em termos da maneira de conduzir o carro.

O endereço em que o carro “dorme” também influencia diretamente. Quanto mais seguro for o local em que ele se encontra, tendem a ser menores as chances de ter algum problema de roubo.

Esses são alguns dos pontos contemplados no perfil, não apenas do contratante do seguro como também de seus usuários, como um pai com filhos ou um casal. Isso porque  a proteção é pensada no veículo e, portanto, deve considerar os perfis de todos que o utilizam.

Coberturas

Nem todo seguro de carro é igual, ainda que seja contratado com a mesma seguradora, automóveis equivalentes e pessoas de mesmo perfil, pois as coberturas contempladas fazem diferença.

Um exemplo clássico é a proteção contra terceiros. Quando você colide com o carro de outra pessoa, algumas apólices oferecem a cobertura para os danos que aconteceram com o outro veículo, ao passo que outras não o fazem.

Mulher ajustando o retrovisor do carro

Essa é uma escolha do condutor e que faz diferença no preço, já que também será preciso estender a cobertura para outros veículos. Mas o ideal é que o seguro de carro contemple sim este item, pois  ajuda a economizar uma boa quantia caso haja um acidente.

Há também outras coberturas, como contra desastres da natureza, danos morais e materiais, por exemplo. E quanto mais completo for o seguro, maior tende a ser o preço.

E então, o que está errado? ?

Eu apresentei algumas variáveis que interferem no valor do seguro de carro, e se te pedir para apontar algo que esteja incorreto, pode ser que não encontre. Afinal de contas, os itens descritos parecem fazer sentido, não é?

Eles realmente fazem! Porém,  o erro não está no que foi descrito, mas sim em algo que não costuma fazer parte das modalidades tradicionais de seguro: o uso do automóvel!

Pode ser que você nunca tenha parado para pensar sobre o tema, e se for este o caso, fique tranquilo, pois é a forma com a qual nos acostumamos a contratar. Mas não é estranho que o seguro não leve em consideração quão utilizado é o automóvel?

Quem sabe o que é mobilidade urbana e aplica seus conceitos entende que nem sempre vale a pena ir de carro para todos os lugares, seja pelo trânsito, pelos custos ou mesmo pela sustentabilidade. Porém, os seguros tradicionais não levam isso em consideração.

As implicações são diretas em seu bolso. O seguro de carro custará o mesmo se você roda 100 km ou 1.000 km por mês, o que no final das contas não faz sentido algum.

Felizmente, existe uma modalidade de seguro que ainda é relativamente nova no mercado, mas tem tudo para aparecer entre as preferências dos usuários: o Pay Per Use.

O que é o Pay Per Use?

Seu funcionamento é exatamente como o nome sugere: você paga pelo uso. Quem usa mais o carro paga um valor maior do que quem usa menos, sempre de maneira proporcional.

É cobrado um valor fixo por mês, o qual nunca muda. Ele é complementado pela quilometragem: a cada km rodado, são cobrados alguns centavos a mais – é isso mesmo, centavos!

Nem sempre analisamos dessa forma, mas um dos desafios da mobilidade urbana é a falta de incentivo de deixar de utilizar o carro para optar por outros meios de transporte, já que não haveria mudanças sensíveis no bolso. Mas isso já está mudando.

Ah, o Pay Per Use é um seguro completo. Ele traz as coberturas dos melhores do mercado, de roubos e furtos, cobertura para terceiros, além de oferecer todo o suporte necessário, como chaveiro, guincho, troca de pneus e danos morais e materiais.

Veja também: Mobilidade urbana: 07 benefícios que você pode aplicar e melhorar sua vida

Seguro de carro Pay Per Use: justo, como você merece ?

Se você paga a conta de luz e de água conforme usa, a fatura do cartão de crédito de acordo com quanto gasta e a conta de celular proporcional à quantidade de ligações e à franquia de dados utilizada, nada melhor do que pagar o seguro de carro de acordo com o quanto roda com seu carro!

O seguro auto Pay Per Use é a solução perfeita para quem quer pagar um preço justo e ter uma cobertura completa. Eu já mudei, e você? Tem alguma dúvida sobre essa modalidade de seguro de carro? Deixa aqui nos comentários que eu respondo assim que possível.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

A cor do seu carro pode afetar o preço do seu seguro?
Uma das partes mais legais de comprar um modelo zero quilômetro é poder escolher a cor do carro. Muito...
Qual é a garantia de que estou segurado de verdade?
Quando fechamos a contratação do seguro auto sempre fica a dúvida: o carro está segurado mesmo? Afinal, o seguro...
Qual a importância de fornecer os dados corretos na cotação e contratação do Seguro Auto Online?
Não se pode negar que as plataformas de cotação e contratação de Seguro Auto Online facilitaram muito a vida...
Saiba como funciona o seguro para carro elétrico
Depois de bater recordes no último ano, a venda de carros eletrificados segue em alta em 2022. Houve uma...
Seguro cobre parabrisa quebrado?
Você está dirigindo na estrada e, de repente, escuta um estalo e percebe que uma pedra atirada por um...
Veja como evitar contratar um seguro auto pirata
Nos anos 1980, o comercial do xampu anticaspa Denorex ficou famoso pelo slogan “Parece remédio, mas não é”. Na...