O que é mobilidade urbana e como você pode se beneficiar com isso

O termo diz respeito à construção de uma cidade mais inclusiva, sustentável e segura

Para definir o conceito de mobilidade urbana de forma básica e simples, podemos dizer que ela diz respeito à capacidade eficaz e organizada de deslocamento de um grupo de pessoas dentro de uma cidade.

Esse transitar deve englobar diferentes meios de locomoção, como ônibus, carro, metrô, motocicleta, bicicleta, patinete, trem ou a pé. 

Vamos retomar o que a gente disse no primeiro parágrafo desse tópico: deslocamento eficaz e organizado. O que isso te lembra? Não precisa muito esforço para a gente fechar os olhos e ver um trânsito caótico, muitos carros e pessoas estressadas porque estão atrasadas.

O mesmo ocorre quando a gente pensa em transporte público, não é? Ônibus e metrôs lotados, atrasos nas operações e, claro, trânsito. É justamente pelo incômodo que essa realidade causa que a mobilidade urbana no Brasil tem marcado presença nos debates acerca da qualidade de vida nas cidades.

De onde surgiu o problema de mobilidade no Brasil?

No Brasil, o grande desafio da mobilidade urbana é a presença excessiva de carros particulares nas ruas. O descompasso entre o aumento do número desses veículos e o planejamento urbano não é de agora.

Na década de 50, o investimento em mobilidade priorizou a indústria petrolífera e a construção rodovias. Esse enaltecimento do transporte individual fez do carro um símbolo de status e poder. E nós pagamos até hoje as consequências disso. 

Até agora, a gente mencionou que mobilidade urbana é um problema que deve ser debatido pelos órgãos governamentais e de gestão pública. É preciso planejamento, políticas de transportes e construção de vias que efetivamente tenham condições de receber um fluxo ordenado de pessoas que precisam se locomover.

No entanto, é um erro a gente achar que não temos participação nisso. O trânsito é um problema de todos nós e diz respeito a muitas coisas, inclusive à nossa saúde física e mental. 

Por isso, também temos nossa parcela de responsabilidade quando optamos por sair de carro ao invés de andar poucos minutos a pé ou utilizar o sistema metroviário, por exemplo. 

Afinal, quais são os problemas causados pelo uso excessivo de carros particulares?

Imagine a seguinte situação: 50 pessoas precisam se deslocar de um ponto a outro da cidade no mesmo horário. Se todas utilizarem seus carros particulares, haverá uma sobrecarga nas vias de acesso e, simplesmente, ninguém conseguirá andar. 

Se essas pessoas utilizassem outros meios de transporte, como ônibus e metrô, por exemplo, o trânsito ficaria mais livre e ninguém sofreria com atrasos, estresses e liberação de poluentes. 

A sustentabilidade nas cidades está diretamente relacionada à qualidade do ar que a gente respira. Veículos movidos a diesel, álcool e gasolina são verdadeiros inimigos da nossa saúde. Sem contar na poluição sonora que eles provocam.

Mas não é só isso. O grande número de carros particulares transitando pelas ruas também é responsável pelo aumento do índice de acidentes. O cansaço, a ansiedade, o uso do celular e a pressa são os principais agentes causadores de mortes no trânsito.

Mas o carro não é o único problema da mobilidade urbana no Brasil

A gente sabe que os ônibus, trens e metrôs seriam as melhores alternativas para resolver o problema de mobilidade urbana no Brasil. Mas, não podemos negar que estamos tratando de um sistema precário, com preços inacessíveis e rotas mal administradas. 

Para resolver esse problema, é necessário investir em políticas públicas específicas voltadas para eficiência do transporte público, o que implica na melhoria das rotas, no aumento do número de meios de transporte e investimento em segurança desses sistemas.

Outro problema da mobilidade urbana é a identidade das vias. Em cidades como São Paulo, por exemplo, é nítido que o projeto de construção de avenidas, ruas e rodovias foi criado para receber carros, o que dificulta a implementação de corredores de ônibus, linhas de metrô e ciclovias. 

Bicicleta parte da mobilidade urbana

Para nossa alegria, existe solução!

Apesar de as informações que trouxemos até agora parecerem desanimadoras, elas são necessárias. Sem o incômodo que elas causam, seria impossível pensar em soluções eficazes para ajudar as pessoas se locomoverem com mais responsabilidade e qualidade de vida.

Existem alguns movimentos que têm colaborado com um trânsito mais sustentável. Eles são resultado da união de forças de trabalhos de ativistas, soluções criadas por startups e usos assertivos dos recursos tecnológicos.

Dentre eles, podemos citar os aplicativos de carona, que reduzem a quantidade de carros nas ruas, construção de ciclofaixas e aplicativos de mobilidade elétrica, com locação de bicicletas e patinetes. 

Além disso, é necessário que as pessoas se sintam motivadas a deixarem seus carros em casa. Para incentivar essa prática, a Thinkseg  lançou um produto altamente inovador: seguro auto que segue o conceito de pay per use. 

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Nesse modelo, o proprietário do veículo paga a mensalidade do seguro equivalente aos quilômetros que  rodar. 

Com a conscientização da população acerca da importância desses recursos aliada aos incentivos do governo para a construção de uma cidade mais fluida e dinâmica, a mobilidade urbana no Brasil pode se tornar algo positivo. 

E o que eu faço com meu carro?

Você não precisa se desfazer do bem que você conquistou. Afinal, além de conforto, o carro também possibilita praticidade, segurança e versatilidade em alguns casos. Quem tem filhos em idade escolar, por exemplo, pode utilizar esse meio de transporte para levá-los até a escola.

Outra forma confortável de utilização do automóvel particular é em viagens eventuais, ou aos finais de semana, quando a cidade fica mais tranquila. Em todos os casos, o que você deve ter em mente é o uso desse veículo com responsabilidade e moderação.

Já está comprovado que, nos grandes centros urbanos, o tempo de deslocamento em automóvel não é inferior se a gente optar por utilizar o transporte público, mesmo com todos os seus problemas. Então, agora que você já sabe o que é mobilidade urbana, que tal fazer sua parte e deixar a cidade mais sustentável, acessível e transitável?