Mobilidade

Escolha o modelo e a marca certa de pneu de bicicleta

Compartilhe em:

app para traçar rota de bike

As bicicletas, que já estavam em alta nos últimos cinco anos, explodiram na pandemia de Covid-19, que parou o mundo a partir de março de 2020. Mais do que um meio de transporte ou de atividade física, as bikes se tornaram um estilo de vida para muitas pessoas. E as áreas de interesse dos ciclistas são muitas, de app para traçar rota de bike, a modelos de capacetes, passando por nutrição esportiva e tipo de pneus.

Falando em pneus de bicicleta, sabia que há grandes diferenças entre eles? Como nos carros, cada tipo de piso exige um pneu diferente e o desempenho e a segurança do ciclista podem ser colocados em risco se a escolha não for correta. Separamos os principais tipos de pneus e o uso correto de cada um deles. Aí é só escolher o seu, usar um bom app para traçar rota de bike e se jogar.

Pneus para terra

Os pneus para terra podem ser encontrados em quase todas as mountain bikes. Seu principal diferencial são os cravos, que garantem boa aderência em estradas de terra seca ou com lama e barro. São eles que “cavam” o solo e tracionam a bike enquanto o ciclista pedala ou faz curvas.

Em contrapartida, o desempenho desses pneus no asfalto deixa a desejar. Os cravos atrapalham a rolagem das rodas e podem dobrar nas curvas, comprometendo a estabilidade. Além disso, exigem mais esforço do ciclista para ganhar e manter a velocidade e duram muito menos.

Isso significa que, se você comprou uma mountain bike para andar na cidade, com certeza está fazendo mais esforço do que o necessário e correndo o risco de levar um tombo nas curvas. Para uso urbano, o ideal é utilizar o pneu que vamos conhecer agora.

Pneus para asfalto

Também conhecidos como slick, os pneus para asfalto não trazem cravos e normalmente são bem finos, para que ofereçam uma menor resistência à rolagem. Outra característica é utilizarem uma calibragem mais alta em nome da redução do atrito. São os pneus mais usados pelas bikes de estrada.

Por serem finos, duros e lisos, ajudam a bike a desenvolver uma velocidade muito mais alta e permitem fazer curvas mais rápido e de maneira mais segura. Além disso, sua durabilidade é maior. Em contrapartida, possuem pouca aderência em pisos molhados, especialmente em faixas pintadas no asfalto, e em estradas de terra.

Apesar de serem mais comuns em bicicletas de estrada, os pneus para asfalto podem ser instalados sem problemas em mountain bikes. Há opções para aros 26, 27,5 e 29, com diversos tipos de largura. Para quem vai rodar exclusivamente por ruas e avenidas das cidades.

Pneus mistos

Os pneus mistos nasceram do cruzamento dos de terra com os para asfalto. Encontrados em bicicletas de gravel (uma bike de estrada mais parruda para ser usada na terra) ou em comfort bikes. São o meio termo: não tão finos, nem tão grossos, com cravos pequenos por ele todo ou apenas nos ombros (e banda de rodagem lisa).

O objetivo dos pneus mistos é desenvolver boa velocidade no asfalto e garantir alguma estabilidade e tração em estradas de terra sem muitos obstáculos. Pode ser uma boa opção para o ciclista que pedala na cidade, mas que de vez em quando dá umas bandas pela terra.

Marcas de pneus de bicicleta

Além das conhecidas marcas de pneus de carro, como Continental, Michelin, Pirelli e Goodyear, existem outros fabricantes de renome para as bikes: Vittoria, Schwalbe, Kenda, Maxxis, Specialized, Levorin, entre outros.

Kevlar X arame

Os pneus de entrada costumam ter talões (a parte que encaixa no aro da bicicleta) em arame. Além de mais pesados, são mais difíceis de colocar ou tirar do aro, normalmente exigindo o uso de espátulas. Já os pneus com talão em kevlar são dobráveis, mais leves e fáceis de instalar ou retirar. O preço, contudo, é maior.

Tubeless X câmara de ar

Como os carros, as bicicletas também dispõem de pneus sem câmara. As principais vantagens são o menor peso e o uso do selante, que reduz consideravelmente as chances de esvaziamento por furos. Para usar pneus tubeless, além do próprio pneu específico, é preciso ter aros que os comportem.

Os pneus com câmara de ar são os mais comuns. Apesar de esvaziarem rápido em caso de furos, podem ser rapidamente reparados com a troca da câmara. Além disso, permitem o uso de fitas antifuro por dentro da banda de rodagem, reduzindo bastante a ocorrência de furos.

Não saia de casa sem checar um app para traçar rota de bike

Além do app para traçar rota de bike, não saia de casa sem um câmara de ar reserva, uma bomba de encher compacta e um kit de reparos com espátula. Em bikes pneus com cravos, recomenda-se usar 45 PSI. Em pneus mistos ou mountain bikes com pneus de asfalto, é possível colocar 50 PSI. Já nas bikes de estrada, o recomendável é no mínimo 100 PSI.

6 modelos de bicicletas para você usar no dia a dia
É impossível falar de mobilidade urbana sem pensar na bicicleta. Seja em grandes metrópoles, em cidades litorâneas e ou...
Top 3 aplicativos que melhoram a mobilidade de São Paulo
Uma metrópole de grandes proporções em todos os sentidos, São Paulo ocupa o posto de maior cidade da América...
Bicicleta furtada em bicicletário: Como solicitar o seguro?
A procura pelas bicicletas como meio de transporte, esporte ou lazer já vinha crescendo nos últimos 10 anos e...
Prefeitura de São Paulo amplia malha cicloviária paulistana
A cidade de São Paulo, que com 699,2 quilômetros de extensão tem hoje a maior malha cicloviária do Brasil,...
Será que seguro de bike é caro?
Tudo começa com uma bicicleta de entrada, sem grandes expectativas, apenas para fazer uma atividade física. Em pouco tempo,...
Como mostrar as ciclovias no Google Maps?
Apesar de apenas 7% da população brasileira usá-la como meio de transporte, aos poucos a bicicleta vai ganhando mais...