Thinkseg
Mobilidade

Veja quais são os locais de maior risco para ciclistas em São Paulo

Compartilhe em:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
andar de bicicleta

Seja como transporte, esporte ou apenas como lazer, andar de bicicleta em São Paulo nem sempre é uma tarefa tranquila e segura. De acordo com dados do Ministério da Infraestrutura, só registrados na capital são quase nove milhões de veículos. Isso fora as centenas de milhares emplacadas em outras cidades que rodam diariamente pelas vias paulistanas.

Está bom, mas está ruim

A boa notícia é que com 699 quilômetros, São Paulo tem a maior malha cicloviária do Brasil, entre ciclovias segregadas, ciclofaixas permanentes e algumas ciclorrotas. Isso pode sim aumentar a segurança ao andar de bicicleta em São Paulo. Entretanto, é muito pouco perto dos quase 18 mil quilômetros de vias pavimentadas.

Como se não bastasse a pequena quantidade de faixas exclusivas e a enorme quantidade de veículos, os ciclistas têm que enfrentar buracos, falta de sinalização e iluminação e até mesmo assaltos. Em 2021, uma bike foi roubada a cada 40 minutos no Estado de São Paulo e a capital é a recordista de casos.

Todo cuidado é pouco

Isto significa que uma hora ou outra você vai ter que passar por locais perigosos quando sair para andar de bicicleta em São Paulo. Para ajudar a fugir das áreas de maior risco, a Ciclocidade (Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo) e a Cidadeapé (Associação pela Mobilidade a Pé em São Paulo) renovaram o mapa que aponta os locais da capital paulista onde ciclistas e pedestres correm maior risco.

Locais muito perigosos para pedalar

O estudo usa uma classificação própria, chamada Unidade Padrão de Severidade (UPS), abordada no Plano de Segurança Viária do Município de São Paulo. A UPS é mais abrangente, pois não assinala apenas os pontos mais críticos, ou seja, os locais que concentram as ocorrências de trânsito com vítimas. A metodologia considera as vias como um todo e dá maior peso às ocorrências em que há vítimas mortas ou feridas.

Vias com UPS (Unidade Padrão de Severidade) classificada como muito alta:

  1. Av. Vitor Manzini – UPS 70,3
  2. Marginal Tietê – 68,2
  3. Av. Ellis Maas – 59,8
  4. Av. Dona Belmira Marin – 58,8
  5. Av. Yervant Kissajikian – 56,2
  6. Av. Comendador Sant’anna – 56,1
  7. R. Saturnino Pereira – 55,7
  8. Av. João Paulo 1º – 54,9
  9. Av. Inconfidência Mineira – 54,7
  10. Av. Osvaldo Pucci – 53,5
  11. Viaduto Eng. Alberto Badra – 52,5
  12. Av.. Santo Amaro – 50,8
  13. Av. Brigadeiro Luís Antônio – 49,4
  14. Av. do Rio Pequeno – 48,3 
  15. Av. São Valério – 47,4
  16. Av. Água Fria – 46,7
  17. Av. dos Nacionalistas – 46,7
  18. Av. Guapira – 46,2
  19. R. Colômbia – 44,7
  20. Av. Maj. Sylvio de Magalhães Padilha – 44,5
  21. R. Harry Dannemberg – 44,4
  22. Estrada de Itapecerica- 42,8
  23. Av. Cangaíba – 42
  24. Av. Luís Stamatis – 41,8
  25. R. João Boemer – 41,5
  26. Av. Dep. Emílio Carlos – 41,3
  27. Av. Imirim – 40,9
  28. R. Augusta – 40,6
  29. Av. Antonelo da Messina – 39,7
  30. Estrada do Campo Limpo – 39,7

Roubos e furtos

Além do risco de atropelamentos, o ciclista convive com o medo de assaltos ao andar de bicicleta em São Paulo. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, foram roubadas ou furtadas 968 bicicletas entre janeiro e abril de 2021 somente na capital. Confira os locais com maior número de ocorrências:

  • Ciclovia Rio Pinheiros – Margem Oeste
  • Ciclovia da Avenida Inajar de Souza
  • Ciclovia da Radial Leste
  • Ciclovia do Parque Ecológico do Tietê
  • Ciclovia da Avenida Politécnica
  • Ciclovias da Avenida Sumaré e Viaduto Antártica
  • Ciclovia da Brigadeiro Faria Lima
  • Ciclovia da Avenida Arthur de Azevedo

Andar de bicicleta em São Paulo pode ser seguro

Ao sair para andar de bicicleta em São Paulo, mesmo que seja um passeio no parque, não esqueça dos equipamentos de segurança. Capacete, luvas e roupas com cores vivas são fundamentais, bem como luzes vermelhas piscando na parte traseira da bike. Evite pedalar com fones de ouvido, pois ouvir o que acontece à sua volta é muito importante.

Se possível, escolha horários com menos tráfego de veículos, como o meio da manhã ou da tarde. Sempre dê preferência às ciclovias e fuja dos corredores de ônibus. Em locais movimentados onde não há faixas para bikes, trafegue por ruas secundárias e calmas. Sinalize suas manobras, nunca trafegue na contramão e sempre respeite as leis de trânsito. Para evitar assaltos, prefira sempre andar em grupo.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Benefício Gasolina: quem tem direito?
O Senado Federal aprovou em março de 2022 o PL 1472/2021, projeto de lei que cria regras para estabilização...
Descarregou? Saiba como carregar seu cartão de transporte pelo celular
Você é usuário do transporte público e seu cartão do Bilhete Único descarregou? Então saiba que é possível carregá-lo...
Ônibus elétrico: conheça mais sobre esse tipo de transporte
Quem já andou pelas ruas de São Paulo alguma vez topou com um trólebus. O antigo coletivo, ainda em...
Como Londres está usando taxas em estradas para combater a poluição e a desigualdade
Berço da Revolução Industrial, a cidade de Londres sempre sofreu com a poluição. Nas últimas décadas, contudo, as emissões...
Conhece o óleo sintético? Saiba como essa inovação ajuda no desempenho do motor
Você sabia que um dos itens mais importantes (e negligenciados) do seu carro é o óleo lubrificante do motor?...
Com mercado aquecido, mountain bike reina no Brasil
As bicicletas seguem a mil por hora no Brasil, especialmente mountain bike. De acordo com levantamento realizado pela Aliança...