Auto

Aditivo para radiador, para que serve? Tire as suas dúvidas

Compartilhe em:

radiador

Todo carro a combustão precisa ter seu motor resfriado. Sem a refrigeração, que pode ser a ar ou líquida e fica a cargo do radiador, a temperatura dos componentes se eleva demais, causando sua quebra. Mas você sabe como funciona o radiador? E o aditivo para radiador, para que serve?

O radiador é um das partes do sistema de arrefecimento dos veículos com refrigeração líquida.  Além dele, fazem parte o vaso de expansão (ou reservatório de água), bomba d’água e válvula solenóide. 

Selado, este sistema permite que o líquido de arrefecimento – o aditivo para radiador, composto por etilenoglicol e com temperatura de ebulição mais alta do que a da água – circule pelas galerias de água do bloco e cabeçote do motor.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Vai um ventinho aí?

Mas vamos ver como funciona o radiador e todo esse esquema?

Ao passar pelo radiador, que fica na frente do veículo e recebe o vento frio conforme o carro anda, este líquido é resfriado. Quando o radiador não tem capacidade de trocar calor com o ambiente, como em dias muito quentes e nos congestionamentos, o eletroventilador (ou ventoinha) entra em operação para resfriar.

Quem garante a circulação do líquido pelas galerias é a bomba d’água, que é mecânica e acionada pelas correias do motor ou de acessórios. Já a válvula termostática abre e fecha e impede que o líquido de arrefecimento chegue até o radiador e seja resfriado quando o motor está na temperatura ideal de funcionamento.

Por fim, o reservatório de água serve para que seja feita a verificação e correção do nível, bem como o aspecto do líquido de arrefecimento. Além disso, o reservatório de água suporta o aumento de volume do líquido, que acontece quando ele é aquecido pelo motor. Daí o nome “vaso de expansão”

Aditivo para radiador se degrada e precisa de troca

Normalmente, em carros com bloco do motor confeccionados em ferro, o aditivo para radiador tem vida útil de 40 mil quilômetros ou dois anos. Já em modelos com bloco de alumínio (os mais comuns atualmente), os prazos são bem mais longos, podendo ultrapassar os 100 mil quilômetros. O prazo correto de cada modelo está informado no manual do proprietário.

A troca é necessária porque o líquido vai se degradando com o tempo e perdendo suas propriedades, especialmente a de entrar em ebulição bem acima dos 100°C. Com o líquido em mau estado, as mangueiras de borracha começam a se ressecar e a oxidação das galerias, bomba d’água e válvula termostática acontece rapidamente.

Com o tempo, o líquido enferrujado vai danificar todos os componentes com os quais tem contato, causando um colapso e o superaquecimento do motor. Quando isto acontece, na maioria das vezes é necessário retificar o cabeçote e, em casos mais graves, o bloco do motor. O prejuízo vai ficar entre R$ 5 mil e R$ 20 mil em carros nacionais.

Aditivo velho causa vazamentos

Quando aditivo de radiador envelhece, o sistema de arrefecimento começa a operar em más condições e surgem vazamentos. Eles podem ocorrer pelo radiador, bomba d’água, válvula termostática ou pelas mangueiras. 

Muitas vezes, o radiador fura e vaza ao sofrer um impacto contra uma pedra, restos de pneus em rodovias, lombada, buraco ou sarjeta. Caso acenda a luz da temperatura no painel, deve-se parar o carro imediatamente para que o pior não aconteça.

Vazamentos? Aqui não!

A melhor maneira de prevenir os vazamentos é:

  • Seguir à risca os prazos de troca do aditivo para radiador recomendados pelo manual do proprietário;
  • Utilizar somente o aditivo indicado pelo fabricante;
  • Examinar mensalmente o nível e o aspecto através do reservatório de água.

A substituição do líquido de arrefecimento deve ser feita por um mecânico, que vai drenar todo o conteúdo e fazer a limpeza do sistema quando for necessário. Ele também verifica a presença de vazamentos e retira o ar do sistema após a colocação no líquido novo.

Atenção nos postos de combustíveis

É muito comum os frentistas de postos de combustíveis se oferecerem para fazer a verificação. A cortesia é mais o oportunismo de vender o líquido de arrefecimento disponível no estabelecimento do que a preocupação com o funcionamento do carro. 

Em primeiro lugar, o nível sempre vai estar um pouco mais alto do que o normal, afinal o motor está quente. Além disso, deve-se sempre usar a marca de líquido recomendada pelo fabricante e na proporção correta. Misturar marcas ou tipos diferentes pode ser uma catástrofe.

Por fim, além dos “pronto uso”, existem tipos de líquido de arrefecimento que precisam de diluição com água desmineralizada. Frentistas costumam usar água de torneira, que possui cloro e aumenta ainda mais o processo de oxidação. 

Recuse a gentileza e faça a análise em casa, sempre com o motor frio e em piso plano. Se o nível estiver abaixo do mínimo indicado no reservatório de água, complete até o máximo usando o líquido original do carro.  

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Vai trocar de carro este ano? O que você não pode deixar de pesquisar
Quase todo mundo começa o ano com novos objetivos e planos. E, para muitos, um deles é trocar de...
Você está fazendo um bom uso do seu seguro auto?
Dizem que a melhor coisa do seguro auto é não usar. A afirmação tem um fundo de verdade, já...
Época de viagens de verão chegou. Como cuidar do seu carro na praia
Férias de verão significam uma só coisa: praia! Com as passagens aéreas caras, muita gente está optando por viagens...
Vale a pena ter guincho ilimitado no seu seguro auto?
Quando fazemos um seguro auto novo ou uma renovação há sempre a opção de guincho ilimitado. Você sabe para...
O que o seu gosto por carro diz sobre você?
Você sabia que o carro diz muito sobre a personalidade da pessoa? E não pense que é possível avaliar...
Como organizar os gastos com o carro no início do ano?
A vida adulta nos traz algumas certezas. Uma delas é que todos os anos, logo nas primeiras semanas de...