Mobilidade
Auto

Como Londres está usando taxas em estradas para combater a poluição e a desigualdade

Compartilhe em:

mobilidade social

Berço da Revolução Industrial, a cidade de Londres sempre sofreu com a poluição. Nas últimas décadas, contudo, as emissões lançadas pelos escapamentos atingiram níveis alarmantes e fizeram acender o sinal amarelo para as autoridades.

Como sempre vem a luz vermelha após a amarela, a capital inglesa criou uma série de medidas de mobilidade social para restringir a circulação de veículos movidos por combustíveis fósseis. Assim, pretendem reduzir as cerca de nove mil mortes por ano associadas à poluição.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Mobilidade social, questão ambiental e de saúde pública

O legal é que as mudanças impostas pela Prefeitura de Londres vão muito além da questão ambiental. Elas passam pela saúde pública e entram na área da justiça social. Isso porque as regiões mais pobres da cidade são as mais afetadas pelo problema da poluição.

Segundo a British Heart Foundation, entidade que trabalha na pesquisa de doenças cardiovasculares no Reino Unido, os habitantes de renda mais baixa em Londres são expostos a níveis de poluição equivalentes a fumar 150 cigarros por ano.

Entre os males causados pela poluição do ar estão os acidentes vasculares cerebrais (AVCs), cânceres de pulmão, doenças cardíacas e doenças respiratórias crônicas e agudas.

Primeiro pedágio urbano chegou em 2003

Hoje, não são mais as chaminés das indústrias as grandes vilãs da poluição do ar. A mobilidade social entrou na jogada. A maior parte das emissões vem dos carros, táxis, ônibus e caminhões. Uma das primeiras medidas, criada em 2003, foi o pedágio para circular na área central de Londres, que funcionava de segunda à sexta-feira, das 07:00 às 18:00 horas, a um custo de 8 libras, cerca de R$ 48.

Zona de Ultrabaixa Emissão ainda mais restritiva

Após quase duas décadas de sua implementação, o pedágio urbano já não mais surtia o efeito esperado. Isso motivou a criação da Zona de Ultrabaixa Emissão (ULEZ, na sigla em inglês) em 2019. Ainda mais restritiva – e focada na melhora da qualidade do ar e não somente na redução dos congestionamentos -, funciona 24 horas por dia, em todos os dias do ano, sem exceções.

Pedágio de R$ 75

As tarifas variam conforme o tamanho e o ano do veículo. Elas custam entre 12,50 e 100 libras, ou de R$ 75 a R$ 600, com monitoramento por câmeras de segurança espalhadas por todos os cantos e pesadas multas em caso de desobediência. Veículos com emissão zero estão livres da cobrança.

Em outubro de 2021, a área de cobrança foi ampliada dos 21 quilômetros quadrados da região central de Londres para as principais vias circulares da cidade. Assim, alcançou uma área de 360 quilômetros quadrados.

Não basta restringir 

As políticas ambientais da ULEZ não estão só na cobrança de pedágio. Elas incluem medidas para:

  • Modernização da frota de ônibus públicos;
  • Eletrificação de táxis;
  • Construção de infraestrutura para bicicletas;
  • Fechamento de ruas nos horários de deixar e buscar as crianças nas escolas.

Os resultados das ações de mobilidade social apareceram rápido. Um estudo realizado 10 meses após a introdução da ULEZ constatou que 49% menos veículos poluentes se dirigiam ao centro de Londres todos os dias – o equivalente a 44.100 veículos. Veja outros números interessantes:

  • 3,2 milhões de moradores da área central de Londres são beneficiados por um ar mais limpo, frotas de veículos de alta qualidade e melhor infraestrutura para transporte não motorizado; 
  • O número de escolas expostas a níveis não seguros de poluição caiu de 455 em 2016 para 14 em 2019, e os espaços protegidos para pedalar quase triplicaram;
  • As emissões de CO2 (dióxido de carbono) do transporte rodoviário caíram 6% e as concentrações de NO2 (dióxido de nitrogênio), 44%;
  • Estima-se que as novas políticas e a ULEZ reduzam a disparidade na exposição à poluição do ar entre os bairros mais e menos poluídos em 85% até 2030, um grande incentivo à mobilidade social. Vale lembrar que os bairros com maiores índices de poluição são justamente os mais pobres.

Maior frota de ônibus elétricos da Europa

Com a receita gerada pela ULEZ, US$ 105 milhões estão sendo usados para adaptar ou comprar novos ônibus públicos. Isso faz de Londres a cidade com a maior frota de ônibus elétricos da Europa. Além disso, há projetos conduzidos por bairros, incluindo ruas de baixa emissão e a ampliação de redes cicloviárias.

Diferentemente do primeiro pedágio de 2003, a ULEZ tem grande aceitação da opinião pública e dos cidadãos londrinos. A meta é que, até 2041, 80% de todas as viagens na cidade sejam feitas a pé, de bicicleta ou de transporte público. Exemplo para grandes metrópoles, Londres  está se tornando um lugar mais limpo, saudável e justo para viver.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

20 carros mais sustentáveis nos dias de hoje
Segundo dados do Relatório de Emissão Veiculares da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), os carros são...
6 modelos de bicicletas para você usar no dia a dia
É impossível falar de mobilidade urbana sem pensar na bicicleta. Seja em grandes metrópoles, em cidades litorâneas e ou...
Saiba como consultar pontuação da CNH
Entre as novas leis do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em vigor desde o dia 12 de abril de...
Tabela Fipe: O que é e como influencia no preço do seguro?
Seja na hora de comprar ou vender seu carro, seja na hora de fazer o seguro, você já deve...
4 motivos para realizar a manutenção preventiva do seu carro!
Se você é daqueles que têm pavor de ficar parado na rua com o carro quebrado, preste atenção: fazer...
Álcool ou gasolina: como calcular o custo de viagem de carro?
Não parece, mas em 2023 vão se completar 20 anos do lançamento do primeiro carro bicombustível brasileiro. Até a...