Mitos e verdades sobre a troca de óleo

Você sabia que o óleo é como o sangue do motor do seu carro? Além de lubrificar cada peça móvel e evitar que elas trabalhem a seco, o lubrificante tem a capacidade de baixar a temperatura durante a fricção dos componentes. Ele ainda permite a redução dos depósitos de carvão provenientes da queima da gasolina e do diesel.

Sendo assim, negligenciar a troca de óleo é uma prática nociva que pode trazer prejuízos enormes a curto prazo. Confira abaixo alguns mitos e verdade sobre a troca de óleo do seu carro.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Posso completar o nível ao invés de trocar?

Mito. Essa prática é muito comum e perigosa, pois pode levar à formação de borra de óleo e à quebra do motor. 

Ao apenas completar o nível quando o prazo indicado para a troca for atingido, o óleo novo será contaminado pelo antigo, que já está degradado e sem boa parte das propriedades lubrificantes e detergentes. Ou seja, você vai ter o cárter cheio, mas de óleo ruim. Completar só é permitido se o nível baixar e ainda estiver distante da troca.

Preciso substituir o filtro em toda troca de óleo?

Verdade. O filtro de óleo retém todas as impurezas que circulam pelas galerias de lubrificação, como resíduos metálicos provenientes do desgaste do motor e partículas resultantes da combustão. A vida útil do filtro é a mesma do óleo.

Aditivos para o óleo são necessários?

Mito. Os fabricantes de lubrificantes investem constantemente enormes quantias de dinheiro em pesquisa e desenvolvimento para atender a todas as especificações dos motores. 

Assim, não é necessário qualquer tipo de aditivo para melhorar as propriedades do óleo. A prática pode até ter efeito contrário, com aceleração da degradação do lubrificante por substâncias usadas nos aditivos.

A troca de óleo deve ser feita por tempo?

Verdade. Além da quilometragem, os lubrificantes têm vida útil determinada pelo tempo. E ela é de seis meses. Ou seja, se o carro não rodar o suficiente no período, o óleo deve ser trocado pelo tempo.

Posso usar qualquer tipo de óleo?

Mito. Cada motor possui um lubrificante específico que atende às demandas de:

  • Rotações;
  • Temperatura;
  • Pressão;
  • Combustível, entre outros parâmetros definidos pelo fabricante no seu desenvolvimento. 

Ao utilizar um óleo de especificação diferente, a lubrificação será inadequada e o motor pode até fundir. Use sempre o lubrificante indicado no manual de proprietário.

Combustível adulterado estraga o óleo?

Verdade. Os gases provenientes da queima do combustível entram em contato com lubrificante dentro da câmara de combustão. Se houver solventes, o óleo será contaminado e perderá boa parte de suas propriedades. Caso abasteça com combustível adulterado, é recomendável fazer a troca de óleo e filtro em seguida.

O bujão do cárter deve ser apertado com torquímetro?

Verdade. O óleo do motor fica armazenado no cárter. Para esgotá-lo, é necessário soltar um parafuso conhecido popularmente por bujão do cárter. Ao apertá-lo, o profissional deve aplicar o torque recomendado pelo fabricante com a ajuda de um torquímetro. Se for utilizada uma carga maior do que a indicada, a rosca pode ser danificada e iniciar um pequeno vazamento. Caso o bujão utilize anel, ele deve ser substituído a cada troca de óleo.

O frentista pode verificar o nível enquanto abasteço?

Mito. O lubrificante precisa de no mínimo 10 minutos para escorrer totalmente das partes altas para o cárter depois que o motor é desligado. Quando o frentista verifica o nível durante o abastecimento, ainda não deu tempo do óleo descer totalmente e a indicação na vareta será menor do que a real.

Excesso de óleo prejudica o motor?

Verdade. Lubrificante acima do nível indicado é extremamente danoso ao motor do veículo. É isso que acontece quando o frentista completa o nível após uma leitura incorreta antes do tempo necessário até o escorrimento total do lubrificante para o cárter. Com mais óleo, a pressão do motor será mais alta e pode danificar anéis e retentores, causando vazamentos.

Além disso, o óleo pode se misturar com combustível, aumentando o consumo e prejudicando o catalisador. Por fim, o excesso de lubrificante pode atingir as velas, fazendo com a ignição seja comprometida. Os resultados são falhas no funcionamento e consumo de combustível elevado.

Devo verificar o nível do óleo quinzenalmente?

Verdade. O prazo ideal é a cada 15 dias, preferencialmente com o motor frio e em piso plano. O nível deve estar entre a metade e a marcação máxima da vareta. Se estiver abaixo, complete com lubrificante até atingir o nível ideal. Se o prazo para a troca de óleo estiver próximo (menos de 2.500 quilômetros), faça a substituição ao invés de apenas completar.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE