ThinkNews
Auto

Será que óleo de carro é tudo igual? Saiba qual óleo usar no seu carro

Compartilhe em:

qual óleo usar

Você sabia que o óleo é um dos itens mais importantes do seu carro? Apesar disso, muitas pessoas fazem confusão e acabam comprometendo esse líquido vital para o bom funcionamento do motor. É do óleo a responsabilidade de lubrificar as inúmeras partes móveis do propulsor.

E quando o óleo é ignorado, o prejuízo é alto e certo. Se ele faltar, estiver degradado ou fora da especificação correta, os componentes vão trabalhar sem a devida lubrificação. O resultado é uma redução drástica na durabilidade do motor, com falhas no funcionamento e quebras. 

Mas você sabe qual óleo usar no seu carro? Confira cinco dicas preciosas para não ter problemas com o “sangue” do seu motor.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Veja as regras para saber qual óleo usar

1- Siga sempre o manual do proprietário

Não tem segredo. É o manual do proprietário que vai lhe indicar qual óleo usar. É lá que você vai encontrar as especificações, quantidades e prazos corretos de troca. Inclusive com a indicação conforme o uso que você faz do carro. Exemplo: se o veículo faz trajetos curtos ou pega muito congestionamento, a quilometragem para a troca cai pela metade.

2- Respeite a quilometragem indicada

Quando a quilometragem recomendada pelo fabricante do carro é ignorada, o óleo do motor vai perdendo sua capacidade de lubrificar e se solidificando, formando uma borra. Quando isso acontece, é necessário fazer a desmontagem e limpeza completa do motor. E torcer para que nenhuma peça móvel tenha sido danificada.

Normalmente, os prazos de troca recomendados pelas montadoras são de 10 mil quilômetros ou seis meses, o que ocorrer primeiro. Mas, como dito acima, a informação mais precisa sempre vai estar no manual do proprietário.

3- Verifique sempre – e você mesmo – o nível do óleo

Em todos os carros é possível verificar o nível do óleo através de uma vareta instalada no cofre do motor. Muitos frentistas de postos de combustíveis se oferecem para fazer a checagem, livrando você da tarefa. Mas é aí que mora o perigo. 

O nível do óleo deve ser verificado no mínimo 10 minutos depois de o motor ser desligado e em um piso plano. Isso para que todo o lubrificante escorra das partes altas do motor para o cárter, que é o local onde ele fica armazenado.

Quando o frentista gentilmente faz a verificação enquanto o carro é abastecido, o nível indicado pode ser abaixo do ideal, afinal o óleo ainda está percorrendo seu caminho até o cárter. Daí você autoriza que ele complete com a quantidade necessária e o motor passa a trabalhar com mais óleo do que o recomendado, o que também é prejudicial.

Então, coloque a verificação do óleo na lista de tarefas automotivas. O certo é fazer com o motor frio, pois todo o lubrificante estará dentro do cárter. A vareta tem uma indicação de Mínimo e Máximo na sua ponta inferior. O ideal é que o nível nunca fique abaixo da metade. Se estiver, complete até o nível máximo. E não esqueça de usar a mesma marca e especificação do óleo presente no motor.

4- Completar ao invés de trocar? Jamais!

Com o passar do tempo, o óleo vai sendo contaminado pelo combustível e perde sua capacidade de lubrificação. Por isso é necessário substituí-lo. Mas existem pessoas que não fazem isso e apenas vão completando o nível com óleo novo.

Com a prática, o lubrificante novo é contaminado pelo antigo e perde parte de suas propriedades. É como se você andasse o tempo todo com o óleo “meio velho”. E seu motor não vai gostar nem um pouquinho disso.

5- Substitua o filtro de óleo em todas as trocas de lubrificante

Todo carro possui um filtro de óleo para barrar a circulação de impurezas que possam se desprender durante o funcionamento do motor. E sua vida útil é a mesma do lubrificante. Ou seja, você terá que substituí-lo toda vez que trocar o óleo do motor. A boa notícia é que não é uma peça cara. Seu preço varia entre R$ 30 e R$ 100.

A importância de manter um Seguro Auto

Agora que você já sabe qual óleo usar e como mantê-lo sempre em sua melhor forma, precisamos falar sobre o seguro auto. Afinal de nada adianta estar com o carro com a manutenção em dia, mas desprotegido, não é mesmo?

Neste sentido, ao contratar um seguro pago por uso, por exemplo, você está protegido contra os possíveis sinistros do dia a dia, como roubos, furtos e até mesmo colisões no trânsito. 

E, se você pensa que isso significa mais uma alta despesa no seu orçamento, é aí que você se engana. Com o seguro auto pago por uso da Thinkseg, é possível ter uma cobertura completa por um preço justo, pagando somente o quanto usar. 

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

20 carros mais sustentáveis nos dias de hoje
Segundo dados do Relatório de Emissão Veiculares da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), os carros são...
Saiba como consultar pontuação da CNH
Entre as novas leis do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em vigor desde o dia 12 de abril de...
Tabela Fipe: O que é e como influencia no preço do seguro?
Seja na hora de comprar ou vender seu carro, seja na hora de fazer o seguro, você já deve...
4 motivos para realizar a manutenção preventiva do seu carro!
Se você é daqueles que têm pavor de ficar parado na rua com o carro quebrado, preste atenção: fazer...
Álcool ou gasolina: como calcular o custo de viagem de carro?
Não parece, mas em 2023 vão se completar 20 anos do lançamento do primeiro carro bicombustível brasileiro. Até a...
5 vantagens dos veículos autônomos
Nos últimos 20 anos, o mundo viveu uma verdadeira revolução tecnológica. No começo dos anos 2000, a internet ainda...