Thinkseg
Auto

Brasil comemora o Dia do Automóvel em 13 de maio

Compartilhe em:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
auto

Todo dia 13 de maio é comemorado no Brasil o Dia Nacional do Automóvel e da Estrada de Rodagem. A data especial foi instituída pelo presidente Getúlio Vargas em 1934 como forma de homenagear a primeira rodovia totalmente pavimentada do país. Ela foi inaugurada por Washington Luís em 13 de maio de 1926 e ligava o Rio de Janeiro (na época a capital do Brasil) à Petrópolis.

Criador do avião trouxe o primeiro carro

Quando a data foi instituída, o auto era uma figura ainda rara nas cidades brasileiras. Naquele ano de 1934, rodavam pelo Brasil menos de 40 mil automóveis. O primeiro veículo motorizado a rodar no país foi um Peugeot Type 3, trazido da França por Alberto Santos Dumont em 1891.

Mais tarde, outro modelo chegou a São Paulo trazido pela família do fundador da Polícia Militar Paulista, Tobias de Aguiar, e no Rio de Janeiro, encomendado pelo jornalista José do Patrocínio. Já a placa número 1 foi do conde Francisco Matarazzo, em 1903.

Ford estreou em 1919

A primeira linha de montagem de automóveis foi a da Ford, no bairro paulistano do Bom Retiro, em 1919. Por lá, o Modelo T era montado com peças importadas dos Estados Unidos. Seis anos mais tarde, a General Motors seguiu o exemplo da eterna rival e começou a montar seus modelos também na capital paulista.

No fim da década de 1940, as ruas brasileiras eram dominadas por uma frota envelhecida de veículos importados. Isso começou a mudar no governo do presidente Getúlio Vargas, com as inaugurações da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e da Fábrica Nacional de Motores (FNM), ambas no estado do Rio de Janeiro.

Importação proibida

Para acelerar o processo de industrialização do país, entre 1947 a 1952 o governo criou restrições às importações de veículos automotores e autopeças. Também investiu mais no setor automotivo do que importando petróleo ou trigo. Com a proibição de importar autos inteiros, Volkswagen, Mercedes-Benz e a Willys-Overland se tornaram fábricas nacionais, montando por aqui com peças importadas. As medidas não foram suficientes para atender à crescente demanda.

Surge a indústria automobilística nacional

O pontapé da indústria automobilística nacional foi dado no governo de Juscelino Kubitschek. Em 1956, foi criado Grupo Executivo da Indústria Automobilística (GEIA), pelo decreto nº 39.412 com o objetivo de viabilizar as iniciativas de produção de automóveis nacionais. Na época, a frota brasileira era de 800 mil veículos.

A promessa do progresso de 50 anos em cinco tinha a indústria e o transporte como dois pilares de sustentação. O foco era alavancar a indústria nacional, com a criação de um parque industrial formado por fábricas, uma rede de fornecedores de autopeças e serviços periféricos de infraestrutura.

Romi-Isetta ou Vemaguete?

O primeiro veículo 100% nacional saiu da linha de montagem da Romi, indústria de tornos e equipamentos agrícolas, em 5 de setembro de 1956. A Romi-Isetta tinha motor semelhante ao de uma motocicleta, rodas pequenas e uma porta frontal. Por isso, não é considerado o primeiro automóvel brasileiro. O título ficou à perua Vemaguete, produzida pela DKW-Vemag, a partir de 15 de novembro de 1956.

O GEIA previa que, até 1960, 90% dos caminhões e utilitários vendidos no Brasil deveriam ser de componentes nacionais. Esses objetivos foram atingidos e ultrapassados com o consequente fortalecimento da indústria automobilística brasileira. Assim, os grandes fabricantes começaram a produzir veículos modernos e mais compatíveis com o uso demandado pelos brasileiros.

Mais fabricantes foram chegando

A indústria automobilística passou a se concentrar na região do ABC Paulista, formada pelas cidades de Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. Na década de 1970, surgiram novos fabricantes de auto em outras regiões do país, com destaque para a Fiat, em Minas Gerais; a Agrale no Rio Grande do Sul e a Volvo no Paraná.

Estagnação na década de 1980

Com a proibição das importações em 1976 e a enorme inflação, a indústria automobilística sofreu com a estagnação tecnológica durante toda a década de 1980. Isso começou a mudar no início em 1990, quando novamente o mercado foi reaberto aos produtos importados.

Abertura do mercado modernizou a indústria

Os concorrentes muito mais modernos vindos de fora, como os modelos da BMW, Mercedes-Benz, Honda e Toyota, forçaram as matrizes a fazer uma série de investimentos nos fabricantes instalados no Brasil. Isso para a modernização das linhas de produção e renovação da linha de veículos. Um exemplo disso é o Chevrolet Omega, que chegou em 1992 para o lugar do Opala, produzido por 24 anos com poucas mudanças.

Economia fortalecida, vendas em alta

A criação do Plano Real, em 1994, e consequente fortalecimento da economia brasileira encorajaram outros fabricantes a produzir no país. Até meados da década de 2000, foram inauguradas fábricas da Audi, Honda, Toyota, Mitsubishi, Renault, PSA (Peugeot + Citroën), Hyundai, entre outros. Em 2012, o mercado brasileiro atingiu a marca histórica de 4 milhões de unidades produzidas e se tornou o quinto maior do mundo.

Instabilidades e pandemia derrubam vendas

São 20 fabricantes diferentes, produzindo em 65 fábricas em 11 estados e com capacidade de produzir 4,5 milhões de veículos por ano. Mesmo assim, o Brasil vem há quase uma década sofrendo com instabilidades políticas e econômicas, o que acaba refletindo nas vendas de veículos novos.

A pandemia de Covid-19 e a desvalorização do real pioraram o cenário e esfriaram ainda mais o mercado. Isso levou a Ford a fechar suas fábricas e parar de produzir no país depois de 102 anos. Com 10,5 anos de idade média, a frota brasileira é a mais velha dos últimos 25 anos.

Voltando no tempo

Para se ter uma ideia, em 2021, a indústria automobilística brasileira produziu pouco mais de 2 milhões de veículos. Para 2022, a expectativa é ainda pior, com uma redução de 15% na produção, o que deve colocar o mercado brasileiro no mesmo patamar de meados da década de 2000.

Apesar do momento ruim, o automóvel merece todas as comemorações no seu dia. No mundo todo, o carro elétrico vem ganhando força junto com a ideia de compartilhamento. Muito mais sustentável e tecnológico, o carro vai continuar um dos protagonistas da indústria no Brasil e no mundo.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Porsche ou BMW? Conheça empresas que oferecem planos de aluguéis de carros de luxo por uma hora ou meses
Você é louco por marcas de carros famosas, porém não tem condições de estacionar um modelo de luxo, um...
O que é e como funciona o cartão de combustível
Quem tem ou administra frotas de veículos, sejam elas pequenas, médias ou grandes, já deve ter ouvido falar no...
Rodas grandes: desempenho ou só estética?
Não dá para negar que um belo jogo de rodas faz toda a diferença no carro. Prova disso é...
A cor do seu carro pode afetar o preço do seu seguro?
Uma das partes mais legais de comprar um modelo zero quilômetro é poder escolher a cor do carro. Muito...
12 que você não pode deixar de ter dentro do carro
Foi-se o tempo em que se levava apenas luvas no porta-luvas. Não que elas não sejam importantes (já experimentou...
Os cinco melhores carros bons e baratos para jovens
Pode parecer que não, mas o público jovem está entre os mais exigentes quando o assunto é escolher carro....