Thinkseg
ThinkNews
Auto

O perigo de motoristas usarem a via de ciclista

Compartilhe em:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
motorista na via de ciclista

Não há como negar que a bicicleta vem conquistando cada vez mais espaço nos grandes centros urbanos. Seja como meio de transporte, ferramenta de trabalho, para lazer ou para prática esportiva. As bikes estão tomando conta das ruas e a via de ciclista divide cada vez mais o exíguo espaço com pedestres, motos, carros, ônibus e caminhões.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Ciclovias são poucas e desrespeitadas

Infelizmente, as ciclovias e ciclofaixas ainda são poucas. Com aproximadamente 12,4 milhões de habitantes, a cidade de São Paulo possui 17,2 mil quilômetros de vias pavimentadas. E são apenas 684 quilômetros de vias com tratamento cicloviário permanente. Os dados são da Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (CET-SP). Como comparação, a Dinamarca tem mais de 12 mil quilômetros de ciclovias para uma população de 5,9 milhões de pessoas.

Mesmo com tão poucas ciclovias e ciclofaixas para pedalar com segurança, os ciclistas ainda têm que enfrentar a concorrência de outros veículos no espaço destinado às “magrelas”.

Cenas de motoristas na via de ciclista são corriqueiras. Seja para escapar dos congestionamentos, para estacionar, para fazer conversões, para pegar passageiros ou para ganhar tempo com a motocicleta

Motorista na via de ciclista paga caro

De acordo com o Artigo 193 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), é infração gravíssima, com perda de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e multa multiplicada por três, em um total de R$ 880,41 transitar com o veículo em:

  • Calçadas;
  • Passeios;
  • Passarelas;
  • Ciclovias;
  • Ciclofaixas;
  • Ilhas;
  • Refúgios;
  • Ajardinamentos;
  • Canteiros centrais e divisores de pista de rolamento;
  • Acostamentos;
  • Marcas de canalização;
  • Gramados e jardins públicos 

Muito mais do que a multa, invadir ou trafegar sobre ciclovias e ciclofaixas é colocar a vida dos ciclistas em risco. Portanto, as consequências são seríssimas. Qualquer esbarrão seguido de queda da bike pode significar um atropelamento e a morte de quem pedala. E o responsável pode responder criminalmente por homicídio doloso – quando ele assume o risco de que pode matar -, que tem penas que vão de seis a doze anos de detenção.

O ciclista sempre tem a preferência

Em uma escala de fragilidade, o ciclista perde apenas para o pedestre. Desta maneira, os motoristas devem zelar pela segurança de quem pedala. Portanto, é preciso manter uma distância segura (no mínimo 1,5 metros) e sempre dando a preferência, independentemente de o ciclista estar ou não na ciclofaixa ou ciclovia.

Os ciclistas também devem fazer sua parte

Um dos maiores erros dos ciclistas é trafegar na contramão. O Código de Trânsito Brasileiro, inclusive, proíbe a prática: “Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores.”

A principal justificativa de que de bike pela contramão é de que é mais fácil ver e desviar dos carros. Entretanto, o maior perigo é quando o motorista momentaneamente olha pelo espelho retrovisor ao acessar rodovias, avenidas e ruas e não vê o ciclista vindo na contramão. A maioria dos atropelamentos acontece nessas condições.

Para não ser surpreendido por um motorista na via de ciclista, confira algumas dicas de segurança:

  • Capacete. O capacete é fundamental para a segurança do ciclista. Até as quedas bobas, em baixa velocidade, podem resultar em traumas na cabeça com graves consequências. Barato e facilmente encontrado, o capacete deve ser usado em toda e qualquer situação;
  • Roupas coloridas e luzes piscantes na bike. Ao chamar a atenção dos motoristas e pedestres, as chances de ser atropelado ou atropelar diminuem bastante.
  • Sinalize com os braços. Ao pedalar em regiões mais movimentadas, sinalize com os braços se precisar mudar de direção. Assim, os motoristas ficam sabendo antecipadamente as intenções do ciclista;
  • Nunca ande no meio dos carros. Se não houver ciclovia ou ciclofaixa, nunca ande no corredor entre os carros. Além do risco de ser atingido por um motociclista, fica mais difícil de ser notado pelos motoristas. Ande sempre à direita, ao lado do meio fio.
  • Bike revisada. Com a bicicleta funcionando direitinho, as chances de quedas são muito menores e o pedal fica mais prazeroso. Mantenha sempre a manutenção em dia, com pneus calibrados, corrente lubrificada, câmbios e freios regulados.

Usa bike e carro?

Você tem um carro mas também usa bike? Está usando pouco o seu carro? Neste caso é interessante conhecer algumas opções para também proteger seu carro, mas sem gasatr muito. 

Que tal conhecer o seguro auto Pay Per Use da Thinkseg? Ele é um seguro completo, mas onde você paga somente quando usa o carro. O pagamento é mensal, como nos serviços de streaming, por exemplo. 

O seguro auto Pay Per Use é feito sob medida para quem não usa muito o carro, mas não pode ficar sem ele. É o seu caso? Faça a sua cotação e veja a economia.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Carros autônomos: o que são, como funcionam e mais!
A indústria automobilística já deu um passo à frente com o desenvolvimento dos carros elétricos, cujas vendas estão crescendo...
Saiba como funciona o seguro para carro elétrico
Depois de bater recordes no último ano, a venda de carros eletrificados segue em alta em 2022. Houve uma...
Projeto de lei quer dispensar autorização do Detran para a customização de carros
Quase todo entusiasta de automóveis gosta de deixar o carro com “a sua cara”. A customização e personalização é...
Brasil comemora o Dia do Automóvel em 13 de maio
Todo dia 13 de maio é comemorado no Brasil o Dia Nacional do Automóvel e da Estrada de Rodagem....
Como Londres está usando taxas em estradas para combater a poluição e a desigualdade
Berço da Revolução Industrial, a cidade de Londres sempre sofreu com a poluição. Nas últimas décadas, contudo, as emissões...
Ao vender o carro, posso transferir o seguro?
Ao trocar de carro, é muito comum o segurado não saber exatamente o que fazer em relação ao seguro...