ThinkNews
Auto

Podemos dizer que seguro é investimento?

Compartilhe em:

seguro é investimento

Se você se pergunta se seguro é investimento ou não, imagine três situações diferentes:

  1. Você compra um carro financiado em 60 prestações de mais de R$ 1 mil, não faz seguro. O mesmo é roubado e não recuperado. Ou você terá que quitar o contrato ou pagar cada uma das prestações até o fim sem ter o bem.
  1. Você é o causador de um acidente com mais dois veículos e não possui seguro. Os custos dos reparos do seu e dos outros dois carros ficarão por sua conta.

Seguro é investimento?

Apenas estes três roteiros trágicos já ajudam a entender a razão pela qual o seguro é investimento, e não uma despesa. 

Em todas elas, o custo para que sejam resolvidas será muito maior do que o quanto foi investido na contratação do seguro. Seguro é investimento na sua segurança, na sua tranquilidade, no seu patrimônio.

Se for processado, o seguro paga

Mais uma: imagine que você causa um acidente que deixou o outro motorista com um problema permanente de saúde, como a amputação de uma perna, por exemplo. 

Se você não possui seguro, a vítima vai depender somente do DPVAT (Seguro para Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), o seguro obrigatório. 

Como a indenização do DPVAT é baixa, a vítima pode lhe acionar judicialmente exigindo uma quantia maior. Tanto as custas do processo, do advogado e da indenização serão por sua conta. Seguro é investimento ou não?!

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

Se não usar, é recompensado

Mesmo que você nunca utilize o seguro, é recompensado pela classe de bônus, que oferece descontos de até 20% na renovação quando não sinistros durante a vigência da apólice. 

A diferença de preços entre a contratação seguro pela primeira vez e a décima renovação, já com classe de bônus 10, pode chegar a 50%.

Seguro é investimento. Melhor ainda se tiver preço justo

Agora que já está bem claro que o seguro é investimento e não despesa, que tal conhecer uma nova modalidade paga por uso? 

No Pay Per Use da Thinkseg, você paga somente quando usa o carro e o pagamento é mensal, como nos serviços de streaming, por exemplo.

É tudo muito simples. Um aplicativo faz toda a telemetria, calcula a quilometragem mensal e distingue o meio de transporte que você está usando (o próprio carro, aplicativos de transporte, ônibus, bicicleta ou a pé).

Pelo app, você tem todas as informações do seu seguro, além de acesso a assistência 24 horas e outras funcionalidades. Outra vantagem é que você faz a contratação, a vistoria do carro e o cancelamento da apólice pelo próprio celular, sem necessidade de ligações ou atendimento pessoal. 

Além disso, no Seguro Auto Pay Per Use da Thinkseg há coberturas adicionais para vidros e serviços de socorro mecânico, guincho, reboque, chaveiro, troca de pneus e reparos gerais. Nas indenizações integrais, o Seguro Auto Pay Per Use utiliza a tabela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

Seguro é investimento, sim. Mas é sempre bom pagar um preço justo, com informações claras e descomplicadas. É o que o Pay Per Use da Thinkseg oferece para você! Faça sua cotação e comprove.

COTAR SEGURO AUTO PAY PER USE

20 carros mais sustentáveis nos dias de hoje
Segundo dados do Relatório de Emissão Veiculares da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), os carros são...
Saiba como consultar pontuação da CNH
Entre as novas leis do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em vigor desde o dia 12 de abril de...
Tabela Fipe: O que é e como influencia no preço do seguro?
Seja na hora de comprar ou vender seu carro, seja na hora de fazer o seguro, você já deve...
4 motivos para realizar a manutenção preventiva do seu carro!
Se você é daqueles que têm pavor de ficar parado na rua com o carro quebrado, preste atenção: fazer...
Álcool ou gasolina: como calcular o custo de viagem de carro?
Não parece, mas em 2023 vão se completar 20 anos do lançamento do primeiro carro bicombustível brasileiro. Até a...
5 vantagens dos veículos autônomos
Nos últimos 20 anos, o mundo viveu uma verdadeira revolução tecnológica. No começo dos anos 2000, a internet ainda...